quinta-feira, 29 de março de 2018

Podcast Locadora #64 - Pokémon!



Nesse podcast Business Cat, Ken-Oh, Desgraça e Sena entram num mundo novo (nem tanto) de aventuras e falam sobre a série dos monstrinhos de bolso, POKÉMON!

   Se preferir, baixe a versão em mp3
   Ou assine o nosso feed: http://feeds.feedburner.com/PodcastLocadoraTV

   Envie seu e-mail para: locadoratv@gmail.com

   Sobre o programa:
Glitch do Mew no Pokemon Red/Blue
Reportagem do JN sobre o episódio do Porygon
Filme do MewTwo
N64 do Pikachu
Não discuta Pokémon com esse cara
Post do Cat sobre as novidades de Pokémon Gold/Silver

segunda-feira, 26 de março de 2018

C.A.T.S.


Dica especial para o nosso chefinho: Business Cat!

“Crash Arena Turbo Stars” é um jogo disponível para Android e iOS, desenvolvido pelo mesmo estúdio que fez “Cut the Rope”.


Neste game, você encarna um gato que compete em lutas de carros modificados numa arena 2D. O jogo é online e você enfrenta outros jogadores, cada um com carros modificados do jeito que querem. A cada partida você ganha experiência e moedas que irão desbloquear novos equipamentos para o seu veículo.

Não há um guia para montar o seu carro, então você se sente meio perdido no começo do game, mas com o passar do tempo você pega o jeito da coisa (afinal, não é tão complicado assim e a interface é intuitiva), podendo se adaptar aos seus diferentes inimigos.

O game segue uma estética muito bonita, com um estilo que lembra desenhos animados, além de contar com músicas animadas, divertidas e derivadas do rock, o que gera uma dicotomia interessante entre a fofura dos gatos e a temática pesada em que se situa o jogo.


Não é o jogo mais divertido que entrei em contato nos últimos tempos, pois não é como se ele fosse um game muito variado, entretanto, seu fator de casualidade é ótimo para distrair a cabeça em momentos enfadonhos, como a ridícula aula esquerdopata doutrinadora que estou tendo no exato momento em que escrevo esse review.

Então, “C.A.T.S.” não é o game mais divertido, nem o mais inovador, porém serve ao principal propósio de games mobile (casualidade), além de ser muito bem feito.


quarta-feira, 21 de março de 2018

Podcast Locadora #63 - 1 Ano do Switch


  No programa de hoje, chamamos o Tango Commando pra analisar o primeiro ano do Nintendo Switch. Comentamos sobre o que achamos de bom e ruim do console, onde ele pode melhorar, qualidade dos jogos entre outros assuntos.

   Se preferir, baixe a versão em mp3
   Ou assine o nosso feed: http://feeds.feedburner.com/PodcastLocadoraTV

   Envie seu e-mail para: locadoratv@gmail.com

   Sobre o programa:
Switch derrubado de 1000 pés de altura



quinta-feira, 15 de março de 2018

Uma dupla de dois anúncios

   Depois de um longo hiato resolvendo umas pendências, vou tentar voltar a postar notícias no blog, já começando com duas num post só, já que elas brotaram praticamente ao mesmo tempo, apesar de nenhuma das duas ter sido surpresa. 

   Shadow of the Tomb Raider é o novo jogo da franquia e vai dar fim à nova história de origem de Lara Croft. O teaser não tem nada de mais, mas temos uma data de lançamento, 14 de setembro de 2018. Uma pena que tudo isso já tenha vazado ontem.


   O segundo anúncio é a presença de Geralt de Rivia no novo Soul Calibur. Já haviam comentado que Geralt poderia aparecer em algum jogo fora da franquia The Witcher e, apesar de alguns loucos sugerirem que essa franquia poderia ser o Super Smash Bros., a aposta mais plausível era Soul Calibur mesmo. Confira abaixo o trailer do jogo que sai esse ano.

quarta-feira, 14 de março de 2018

Podcast Locadora #62 - Emuladores



Belo, Business, Desgraça e Ken-Oh falam sobre EMULAÇÃO! Discutindo sobre a criação de alguns emuladores, como empresas lidam com isso, a importância dessa ferramenta para preservação de jogos e nossas experiências com emulação.


   Se preferir, baixe a versão em mp3
   Ou assine o nosso feed: http://feeds.feedburner.com/PodcastLocadoraTV

quinta-feira, 8 de março de 2018

Novidades da Nintendo Direct 08/03/2018

Enfim, mais um Direct se passou e a Nintendo mostrou um monte de coisa.

Caso você queira ver toda a conferência, confira o vídeo abaixo, mais detalhes estão no resto do post.


Pocket Plants


Já imaginou um Pokémon, só que, ao invés de pokémons você tem plantas? Não? Eu também.


 Como o próprio nome já implica, “Pocket Plants” é um Pokémon com plantas. Neste game o mundo está devastado e seu objetivo é revivê-lo. Para tanto, você deve plantar diversas espécies diferentes de plantas e cruzá-las para obter tipos mais raros. Cada área tem um número diferente de plantas a serem descobertas ou reveladas, levando-se em conta a história do game e uma vez completa, você desbloqueia novas áreas, que dependerão de outros tipos de plantas.

Já digo de antemão que não cheguei ao final do game, apesar dele apresentar um final, ao que tudo indica, mas é pelo motivo de que esse jogo pode ser considerado um pay-to-win da vida. Você tem três tipos diferentes de moedas no game: energia, ametistas e rubis. As energias são recebidas pelas plantas, as ametistas através de passadas que você dá com o celular (sim, você precisa andar com o celular pra conseguir essas pedras) e os rubis são comprados. O problema é que você precisa de energias e ametistas para liberar novas plantas, em quantidades cada vez mais absurdas e se o seu celular não é compatível com a tecnologia de cálculo de passadas (como o meu), você está ferrado.
A não ser que gaste dinheiro com o game.

Então é um jogo bem capcioso. Mas é também criativo e bastante divertido. Tem um design no estilo flat, com desenhos muito bonitos e uma trilha sonora básica que realça sua qualidade de jogo casual, compensando o seu lado Pay-to-win.

“Pocket Plants” é um jogo divertido e criativo, que vale o download, mesmo que seja apenas por pouco tempo. E se o seu celular for compatível com a tecnologia de passadas do jogo, pode ser ainda mais longevo.


sexta-feira, 2 de março de 2018

Double Dragon: O Filme - Review


A franquia Double Dragon anda em um estado estranho, o último jogo da série foi o patético Double Dragon IV, um jogo safado que apela forte pela nostalgia do jogo do Nintendinho. A série foi até que grande coisa no passado, sendo um dos beat em' ups mais populares lançados antes de Final Fight, só que a parada passou por muitas desenvolvedoras e com diversos jogos merdas que hoje tá jogada por aí.

A premissa é bem coisa dos anos 80 e 90, dois irmãos saem por aí descendo o cacete em uma gangue pois eles raptaram a namorada de um deles, no caso, do Billy Lee, mas a relação dos irmãos não era das melhores, pois caso você zerasse o jogo com dois jogadores, o que faz mais sentido, afinal é DOUBLE Dragon, os jogadores teriam que lutar entre si pra ver quem pegava a mina.

Mas isso não importa agora, o que importa é que ela conseguiu uma adaptação cinematográfica em 1994, um ano após o icônico filme de Super Mario e um tempo antes do filme do Street Fighter estrelado pelo Van Damme. 

quinta-feira, 1 de março de 2018

Westy West


Esse jogo me chamou a atenção pela sua temática de faroeste e me impressionou pela qualidade com que ele a utiliza.


 “Westy West” é um jogo no estilo daquele jogo do sapo que tem que atravessar a rua, onde você toca na tela e seu personagem se movimento numa espécie de tabuleiro, dando um salto por vez, na direção que você escolher, dependendo do local em você toca na tela. Você encarna um justiceiro num cenário de faroeste, cujo objetivo é deter bandidos por diversos cenários, limitado a 3 vidas, recebendo recompensas por isso.

Não é um jogo excelente, no entanto serve para se divertir. Eu que não gosto do seu estilo, passei boas tardes em filas de espera jogando-o.

Uma das melhores qualidades do jogo é a sua ambientação. O visual em “caixa” simula da melhor forma possível cenários que parecem ter saído de um filme do John Wayne e os efeitos sonoros são surpreendentemente realistas, dando uma ótima sensação de espacialidade conforme você avança no game.

Como você tem 3 vidas, você pode cometer um erro ou outro antes de reiniciar sua trajetória. O problema é que o game abusa em certos aspectos, como o preço dos objetos do jogo e acaba se tornando muito repetitivo.

De qualquer forma, “Westy West” é uma boa pedida se você está há um tempo procurando um entretenimento raso, porém criativo.